Setembro Amarelo: compreender a importância da saúde mental salva vidas

O mês de setembro é de conscientização sobre a importância da saúde mental. A campanha Setembro Amarelo chama atenção para a prevenção ao suicídio, uma atitude extrema que vem se tornando cada vez mais frequente.

Anualmente, são registrados cerca de 12 mil suicídios no Brasil e mais de um milhão no mundo. Desse total, 96,8% estavam relacionados a transtornos mentais. O médico psiquiatra Jairo Navarro destaca que é preciso quebrar tabus, para que a sociedade enxergue os cuidados com a saúde mental como essenciais e acabe com a psicofobia.

Dados em destaque sobre suicídio no Brasil

“Ainda nos dias atuais existe preconceito com relação aos transtornos mentais. Tem gente que acha que depressão, por exemplo, é frescura e fala que psiquiatra é médico de doido. Isso faz com que as pessoas que estão nessa condição sintam vergonha de reconhecer que precisam de ajuda. Os transtornos mentais são doenças como quaisquer outras e precisam ser tratados”, comentou.

"Existe preconceito com relação aos transtornos mentais. Tem gente que acha que depressão, por exemplo, é frescura e fala que psiquiatra é médico de doido"


Jairo Navarro frisou a importância do papel da família para identificá-los. “Muitas vezes, a pessoa que está precisando de ajuda não vai tomar, por conta própria, a iniciativa de buscá-la. É essencial que familiares e amigos próximos estejam atentos a sinais como mudanças de comportamento, apatia, tristeza profunda, isolamento e perda de prazer por atividades que antes eram rotineiras e estendam a mão, encaminhem a um atendimento especializado. Ter uma rede de apoio durante essa jornada de superação do transtorno é fundamental e ajuda a salvar vidas”, afirmou.

Psicólogo segura mão de paciente

 

Centro de Valorização da Vida

Uma conversa em favor da vida. Por meio do número 188, é possível encontrar alguém disposto a ouvir, de forma sigilosa e sem julgamentos, os desabafos de quem está precisando conversar sobre sentimentos, emoções, dificuldades e desafios. O CVV (Centro de Valorização da Vida) é uma ONG com milhares de voluntários, que ficam disponíveis 24 horas por dia. É uma forma de acolher quem precisa de ajuda, acalmar e evitar atitudes impulsivas.